Mandato do deputado Padilha realiza II Pleno do Conselho Político e presta contas dos 13 meses de atividade parlamentar



O mandato do deputado Alexandre Padilha realizou neste sábado (30) o II Pleno do Conselho Político e a prestação de contas dos 13 meses (396 dias) de atividade parlamentar. Com a participação de conselheiros e conselheiras do estado, o mandato apresentou dados da atuação no Congresso Nacional e em São Paulo.

Foram 141 presenças em sessões deliberativas, 203 presenças em Comissões (Seguridade Social, Idoso, Pessoas com Deficiência, Cultura, Relações Exteriores, Cannabis Medicinal), cinco missões oficiais para fiscalizar o desmonte do programa Mais Médicos (Maceió, Registro, Campinas, Santos, Ribeirão Preto e São Paulo) duas missões oficiais internacionais (México e Cuba), 254 votações em plenário, 544 reuniões/seminários /atos políticos em Brasília, 12 projetos de lei, sete representações e ofícios,  seis projetos de decretos legislativos, dois projetos de resolução, 23 requerimentos de audiências públicas, 46 emendas de PEC e medidas provisórias, 19 requerimentos de informação e 127 discursos em plenário.

Em São Paulo, Padilha realizou 282 agendas no estado e percorreu 15.500 km em 35 cidades, realizou cinco audiências públicas sobre o impacto da Reforma da Previdência sobre as mulheres e visitas técnicas oficiais da Seguridade Social para fiscalizar o desmonte dos Mais Médicos.

Foram solicitados 442 pedidos de emendas parlamentares, sendo 29 para Universidades e Institutos Federais, 249 para Prefeituras e Câmaras Municipais. 41 para Entidades da Sociedade Civil, 123 para Santas Casas e Hospitais Filantrópicos e 194 para a área da saúde das cidades, totalizando R$ 151.000.000,00 de recursos.

Com a instalação do Conselho Político, foram criados grupos de trabalho (GT Interior e Litoral, GT Formação Política e GT de Movimentos Sociais), onde foram tiradas linhas gerais de atuação, ações e propostas.

Padilha explanou para os conselheiros e conselheiras a importância da atuação do pleno do conselho político nos rumos das suas atividades parlamentares.

“Quero que vocês fiquem à vontade para nos demandar com ações, propostas, atividades e agendas. Fui eleito deputado federal para ter um mandato participativo e a sugestão e opinião de vocês é um reforço importante para a nossa luta no Congresso Nacional”.

As reuniões do pleno do conselho político acontecem semestralmente e são tiradas diretrizes para as propostas legislativas e atividades parlamentar do deputado.

 

 

Padilha oficializa Conselho Político do mandato participativo de deputado em plenária



Neste sábado (25) o mandato do deputado Alexandre Padilha realizou plenária do Conselho Político, constituído com a proposta de construção coletiva de mandato participativo.

Foi a primeira atividade deste grupo que é formado por conselheiros e conselheiras que são lideranças, apoiadores, representantes de movimentos populares, sindical, partidos de esquerda, acadêmicos, dirigentes das Universidades e Instituições Federais, pensadores e ativistas culturais. Também estiveram presentes o governador do Piauí, Wellington Dias, o vice-presidente do PT Estadual, Jilmar Tatto, a deputada estadual Professora Bebel, o vereador Alfredinho e a professora e doutora Ana Estela Haddad.

O grupo abordará temas que o mandato atua com maior envolvimento, como: Juventude, Saúde, Mulheres, LGBTI+, Educação, Habitação, Meio Ambiente, Cultura e Segurança Alimentar.

Padilha abriu a plenária com uma frase dita por Lula quando presidente na criação do Conselho de Desenvolvimento Econômico, da qual ele coordenou quando foi seu Ministro da Coordenação Política, que disse “prefiro errar ouvindo todos a acertar sozinho”.

“Esse é o mote para a criação deste Conselho Político. Ouvir, organizar, debater e dialogar com movimentos e mobilizar aqueles que de alguma forma apoiaram a minha campanha e apoiam o meu mandato, que é participativo”.

Ainda segundo Padilha o espaço é um lugar de resistência e oposição. “É nosso dever ouvir as lideranças nas orientações. Wellington Dias mudou a história do estado do Piauí com tantos avanços e está aqui para nos aconselhar com as experiências de políticas públicas e também resistência ao governo Bolsonaro”.

Eleito governador por quatro mandatos, Wellington Dias ressaltou a importância da participação popular em um mandato.

“O presidente Lula é o maior articulador político do planeta porque ouve todas as pessoas. Nós temos hoje um desafio muito grande que é lutar de novo por causas que já tínhamos conquistado. Um espaço de organização e mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras em um mandato de deputado federal é a voz do povo em Brasília”.

 

Foto: Carlos Bertozo

 

A conselheira Rochinha, do núcleo dos idosos SindSaúde da CUT , pediu a Padilha que as pautas dos idosos sejam vistas com atenção na Câmara dos Deputados. “Não queremos perder o que construímos, mas precisamos que nossas pautas sejam vistas com prioridade. O governo não sabe o que faz, aprova medidas e volta atrás. Nós precisamos de atenção, somos a maioria brasileira. Contamos com seu mandato para voltarmos a ter esperança”, disse.

Roberto de Jesus, ativista do movimento LGBT em São Paulo, trouxe a preocupação do desmonte do Programa Nacional de DST/Aids do Ministério da Saúde. “Esse movimento do governo é muito sério, nós somos referência em prevenção e tratamento, essa medida pode causar desabastecimento de medicamentos. Gostaria de solicitar que o mandato tivesse o compromisso para que junto com os movimentos em favor da política da prevenção e DST/Aids, busquemos a volta do departamento”.

João Bosco, diretor da União de Núcleos Associações dos Moradores de Heliópolis e Região (UNAS), lembrou da responsabilidade de todos no momento do país. “Nosso trabalho da Unas é lutar pelos jovens. Nosso futuro depende do PT, instrumento de luta que criamos nos anos 80. A luta está apenas começando e o espaço do mandato do deputado Padilha nutri esse alicerce”.

O mandato tem o compromisso de mobilizar os conselheiros e conselheiras e organizar suas ações por temas específicos de luta no estado de São Paulo, por regiões. As plenárias do Conselho Político serão realizadas a cada 90 dias.