Manifesto: Alexandre Padilha e os Direitos Humanos



Foto: Edson Hatakeyama

Em tempos de pandemia, o debate sobre o Estado do bem-estar social voltou a fazer parte da agenda pública. A importância do Sistema Único de Saúde, da previdência social, enfim, do Estado como garantidor dos direitos fundamentais da população se faz mais presente do que nunca.

É neste contexto que dois projetos políticos são apresentados na maior metrópole do país: o neoliberalismo tardio, privatizador, da dupla Covas/Dória, e o projeto humanista do Partido dos Trabalhadores, que estará mais bem representado na figura do pré-candidato Alexandre Padilha.

Um dos fatores que atestam a importância de sua gestão no Ministério da Saúde é a quantidade de ataques que sofreu da “elite” brasileira. Os programas Mais Médicos, além de garantir o direito humano constitucional à saúde (arts. 196 a 200 da CF), levando atendimento à população menos favorecida dos interiores e nas periferias das grandes metrópoles, colocou em xeque privilégios de classe, e mais ainda, promoveu a integração latino-americana tão odiada pelo imperialismo estadunidense. Não é pouca coisa.

O direito à vida digna, à saúde, são a base dos direitos fundamentais. Não existe liberdade sem saúde, sem direito a uma vida digna, emprego, habitação, transporte. São direitos interdependentes. O embate que nós vivemos em São Paulo é nacional, e precisa de um nome de alcance nacional, que represente os valores humanistas que nós defendemos.

Por isso nós, militantes dos Direitos Humanos, estamos com Alexandre Padilha nestas prévias. Um nome que representa os cuidados básicos da saúde para uma população que sofre com o descaso do governo federal frente à pandemia. Que representa a dignidade de um irmão latino-americano que, em um gesto de solidariedade e dedicação, presta seus serviços nas regiões onde o Estado não chega, a não ser em forma de repressão policial.

Nesse embate civilização vs barbárie, escolhemos um nome forte e conhecido nacionalmente pelos serviços prestados ao Brasil e a São Paulo. Essa não é uma eleição comum, mas sim uma etapa importantíssima da luta pela reafirmação dos direitos fundamentais. Estamos com vc, Alexandre Padilha.

São Paulo, 14 de maio de 2020.

Assinam esse documento:

Adriano Diogo – Secretário Nacional do Setorial de Direitos Humanos

Walter Fernandez – Secretário Estadual do Setorial Direitos Humanos PT/SP

Fábio Rodrigues de Jesus – Coordenador Municipal do Setorial de Direitos Humanos PT/SP

Interessados assinar o manifesto, entrar em contato com Fábio: 011 94736-2099