Padilha debate os 100 dias do governo Bolsonaro e os desmontes da saúde pública em Guarulhos



 

Neste sábado (4) o deputado federal Alexandre Padilha (PT) participou de dois debates sobre os desmontes do governo Bolsonaro na cidade de Guarulhos.

O primeiro foi na sede do Sindicato da Construção Civil e Mobiliária com o tema “100 dias de Desgoverno” organizado pelos mandatos dos vereadores Mauricio Brinquinho e Edmilson. A atividade também contou com a presença do ex-prefeito da cidade, Eloi Pietá, e representantes do Sindicato dos Condutores.

A Reforma da Previdência foi o tema mais abordado pelos trabalhadoras e trabalhadores na discussão. Padilha compartilhou o clima sobre o assunto na Câmara dos Deputados e fez análise das medidas já aplicadas por Bolsonaro em quatro meses de governo.

“Você percebe a condução de um governo analisando o que ele fez nos seus primeiros 100 dias. Essa Reforma sugerida pelo Guedes é absurda. Não é reforma, é destruição da Previdência Pública. A relação do Governo com o Congresso é um caos. Não há equilíbrio, justamente por ser um governo incoerente”.

A preocupação com o desemprego também foi exposto pelos presentes, o vereador Mauricio Brinquinho foi enérgico na resistência ao que é apresentado pelo governo.

“Para manter a Previdência é preciso manter o emprego. Qual medida Bolsonaro fez para aumentar o emprego no país? O povo está preocupado em ter emprego. Quem produz a riqueza somos nós. Se não lutarmos, não vamos resistir a esse pacote de maldades do governo.”

O vereador Edmilson enalteceu a presença dos sindicatos, trabalhadoras e trabalhadores na resistência aos desmontes e nas medidas impopulares. “Meu mandato de vereador e do companheiro Brinquinho estão abertos para mobilização contra os desmontes do governo. Precisamos ter unidade de ação para que possamos lutar”.

Desmonte na Saúde Pública

No Sindicato dos Bancários de Guarulhos, Padilha participou do debate “Desmonte do SUS”, do Forum Popular Permanente de Saúde, com a presença de conselheiras e conselheiros de saúde que trouxeram a situação da saúde na cidade com as reivindicações da população.

De acordo com o presidente do Conselho Municipal de Saúde de Guarulhos, Rogério Oliveira, não há compromisso da atual gestão da prefeitura com a saúde pública.

“Nossa cidade apresenta 50% dos casos de dengue do estado. Estão faltando medicamentos básicos na cidade, como dipirona. Não há investimentos concretos para prevenção e promoção da saúde, além de quesitos básicos”.

Expedito Lima, coordenador do Forum Popular, pediu apoio aos presentes para a força na manifestação popular contra os desmontes.

Padilha fez um panorama nacional da saúde pública do país, que impacta diretamente nos estados e municípios, e  lembrou que em 100 dias Bolsonaro não apresentou nenhuma prioridade para a área.

“Não há uma medida que valorize a saúde pública no país. Acabaram com o Mais Médicos, que inclusive faziam atendimento aqui em Guarulhos, falta medicamentos no Farmácia Popular, extinguiram o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e o Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com deficiência e os direitos da população indígena. Não há propostas para o financiamento da saúde depois do congelamento por 20 anos dos recursos para a saúde. Saúde Pública não é prioridade para o governo e isso está impactando diretamente nos municípios, como o que está acontecendo aqui em Guarulhos”.

Além do enfrentamento constante aos desmontes no Congresso Nacional, com representações de oposição ao que é apresentado, Padilha apresentou o projeto de lei que está em consulta pública que estabelece o “Fundo de Resgate da Saúde Pública” que cria novos recursos para a saúde que não fiquem restritos a PEC do congelamento de gastos.